Especialistas chamam atenção para fiscalizações periódicas de barragens por parte do governo

Créditos: Rádio Uirapuru

O impacto ambiental provocado pelo rompimento da barragem da Vale na Mina do Córrego do Feijão, na cidade de Brumadinho, em Minas Gerais, é de grandes proporções e deve ser sentido por anos. De acordo com a ONG Fundo Mundial para a Natureza (WWF-Brasil), aproximadamente 125 hectares de florestas foram perdidos. A lama também poluiu o rio Paraopeba e colocou as autoridades em alerta já que pode alcançar a reserva da hidrelétrica de Três Marias, no rio São Francisco, que é de vital importância econômica e social para cinco estados.

O tema foi debatido no programa Uirapuru Ecologia de sábado (02). O professor da UPF e doutor em Engenharia Civil e Ambiental, Márcio Floss explicou que toda barragem tem risco, por isso precisa ter um projeto adequado, controle de execução e manutenção periódica conforme o seu tamanho. Destacou que no geral a Política Nacional de Segurança de Barragens, criada em 2010, é segura e boa. Disse que o que deve ser questionado é que algumas inspeções podem, pela lei, ser feitas por empresas contratadas pela própria proprietária da barragem, como foi o caso da Vale em Brumadinho.

O geólogo Luis Paulo Fragomeni, destacou que as falhas do plano de contingência da Vale são tão absurdas quanto o próprio rompimento da barragem. Citou a sirene, que foi levada pelos rejeitos, e o refeitório e a área administrativa que ficavam localizados abaixo da represa. O geólogo destaca que é importante que o órgão ambiental fiscalizador não perca a autonomia de fazer fiscalizações periódicas, por amostragens.

O superintendente regional da Corsan, Aldomir Santi, contou que a companhia possui 111 barragens no Estado, 10 delas se enquadram nas características estabelecidas pela Política Nacional de Segurança de Barragens. A barragem da Fazenda da Brigada, de Passo Fundo, é uma delas por conter mais de três milhões de metros cúbicos acumulados. Isso exige que ela tenha um plano de segurança para casos de emergência.

Comentários

A Rádio Uirapuru não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Notícias Recomendadas