Ouça agora

Rádio AM 1170 Rádio FM 90.1

Ouça pelo celular



Ieda Almeida

  • Quinta-Feira, 17/08/2017

    Um sonho ou uma meta?

    Uma meta é um sonho com prazo. Dar um prazo ao seu sonho tira você do vago “algum dia”. Com uma meta, o sonho adquire vida própria e cria um limite de tempo dentro do qual deverá ser realizado.

     

    Sua mente pode visualizar sua realização, o modo como você se sentirá, como a vida será diferente quando esse propósito estiver cumprido. O simples ato de escrever uma meta começa a liberar o poder e o impulso que o ajudarão a alcançá-la. Mas para chegar a isso é necessário planejar todas as etapas que terá de vencer para chegar lá.

     

    Não tenha medo do poder que existe em planejar. Uma das maiores razões que geralmente impede as pessoas de planejarem é o medo do compromisso e de seu primo em primeiro grau: o medo do fracasso. Não há problema quando se trata de pensar no que precisamos fazer para realizar alguma coisa, mas se traçamos planos bem definidos e o colocamos no papel, podemos fracassar.

     

    Por isso, faça um planejamento realista e deixe-o ser a força motivadora que o levará até o fim. E lembre-se: a diferença entre um sonho e uma meta está no ato de escrever o plano. Se você não o escrever, sua meta permanecerá apenas um sonho de “algum dia”.

     

    *texto de Hyrum W. Smith, do livro “O que mais importa – o poder de viver seus valores”

  • Quarta-Feira, 16/08/2017

    Mais do que acreditar

    Se você acredita que algo é possível, tentará realizá-lo.
    Se você sabe que algo é possível, esse algo acontecerá.

     

    Como alcançar um estado além de apenas acreditar, um estado de saber? Agindo. A maior confiança surge ao fazer uma e outra vez. Não existem atalhos. Não existem truques mentais ou tecnológicos. Arregace as mangas e ponha as mãos na massa. Em breve, você não apenas acreditará como também saberá.

     

    Você pode acreditar que é capaz de correr uma maratona. Mas somente quando você acordar todo dia às cinco da manhã e se exercitar, dia após dia, você saberá que é capaz de correr a maratona.

     

    Como diz o ditado, ver é acreditar. Da mesma forma, fazer é saber. É ótimo acreditar nas possibilidades. Você pode especular a respeito e imaginar toda sorte de coisas maravilhosas. Mas a ação é o que vai tornar todas essas coisas possíveis.

     

    Arregace as mangas e comece a agir. Assim você saberá do que é capaz de conquistar. E, sabendo disso com absoluta certeza, você fará com que as coisas aconteçam.

  • Terça-Feira, 15/08/2017

    Faça

    A vida melhora imensamente quando você pára de deixar as coisas acontecerem e passa a fazer as coisas acontecerem. Em vez de ser uma vítima, seja alguém que faz. Em vez de procurar alguém para culpar, procure pelo que você pode fazer. Em vez de perguntar:

     

    “Por que isso aconteceu comigo?”, pergunte
    “O que posso fazer?”

     

    Estabeleça suas prioridades e concentre-se em seus objetivos. Nenhuma situação pode lhe derrotar quando você vive com determinação. As coisas que lhe acontecem têm uma importância menor do que tudo aquilo que você pode fazer a respeito.

     

    Seu senso de direção, seu foco, seu comprometimento e sua ação eficaz guiarão você em qualquer situação, não importa o que aconteça. Seja responsável – nos seus pensamentos, suas palavras, suas crenças, suas ações – pelas coisas que acontecem, e elas ficarão muito mais ao seu gosto.

     

    Faça a vida acontecer e ela acontecerá para você também.

  • Segunda-Feira, 14/08/2017

    É aos poucos que tudo se ajeita

    A gente não quer sentir dor. Não quer sentir aflição. Não deseja experimentar o desamparo nem a solidão. Mas vez ou outra sentimos. Vez ou outra o medo vem nos visitar e a angústia nos faz companhia. E descobrimos que isso nos torna vivos também. Isso faz parte da condição humana, que não é só forte e bem resolvida o tempo todo, mas também é feita de desassossegos e inquietações.

     

    “A angústia é um privilégio de quem está completamente dentro da vida”. A frase, de Maria Ribeiro, me fisgou nesse momento em que aguardo ansiosa o lançamento do meu segundo livro. Faltam dois dias. Dois dias em que a ansiedade e a angústia fazem parte do repertório de sensações que experimento. Mas constato que nunca me senti tão viva. Nunca me senti tão à flor da pele e tão humana.

     

    Sentir-se no alto de uma montanha russa faz parte dessa aventura que é a vida; entender que vamos suportar a descida e encontrar sentido nas curvas do caminho nos dá coragem para abrir os olhos e soltar as mãos, cientes de que no fim, a angústia foi um combustível importante também.

     

    De vez em quando somos tentados atirar alguém da tristeza. Mas ela tem sua utilidade e seu tempo. Tem a serventia de nos equilibrar, de nos posicionar corretamente na vida, de trazer clareza e lucidez. Nos torna mais reflexivos e criativos, pois nos impulsiona a encontrar recursos para atravessar o deserto, para transpor os rios, para desbravar as subidas e romper os cadeados.

     

    Todo mundo sente angústia vez ou outra na vida. E é um erro acreditar que só porque alguém parece ter a “vida perfeita”, não sente medo e solidão. Só porque aparenta ter equilíbrio e sofisticação, não experimenta ausência e inadequação.

     

    A felicidade é feita de altos e baixos, e é assim pra todo mundo. Temos o costume de superestimar a felicidade alheia e nos ressentir de nossa própria realidade. Esquecemos que na vida real qualquer um pode acordar num dia imperfeito, sentindo-se desajustado, carente de respostas e com o coração cheio de lembranças. Isso é premissa para sentir-se vivo também, e quem nunca experimentou esses sentimentos vive em outro planeta ou está mentindo.

     

    É aos poucos que tudo se ajeita. Aos poucos que a gente entende que de vez em quando a alegria se atrasa, mas não vai embora de nós. É suavemente que a gente compreende que de repente tudo se enche de significado de novo, as peças se encaixam, a roupa serve, a intuição flui, o riso irrompe. Sim, a vida é linda e espantosa…

     

    Tenho me reconciliado com minhas aflições. Andado de mãos dadas com minhas imperfeições. Aceitado que meu caminho não está imune a rasuras e correções. Entendendo que só errando e não tendo medo de tentar novamente é que irei crescer e me fortalecer. Descobrindo que não preciso adiar a angústia de estar viva só porque ela me lembra que o tempo é escasso e tudo passa, mas reconhecer que ela dá significado ao mosaico de peças de que sou feita. Pois na vida tudo se ajeita, basta ter uma fé enorme de que, sem urgências ou impaciências, encontrarei a dança perfeita…

     

    Por Fabíola Simões - Formada em Odontologia. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" 

  • Sexta-Feira, 11/08/2017

    Dia dos Pais

    Segundo Domingo de agosto
    Comemora-se o Dia dos Pais
    E os pais que vivem isolados
    Em quartinhos de quintais
    Os pais que vivem mudos
    Porque os filhos sabem mais?



    Asilos e casas de repouso
    Vivem esses marginais
    Marginalizados pelos filhos
    Essas feras racionais



    Deus sabe quanto lutaram
    Para criar esses filhos
    Hoje homens formados
    Que jogam seus pais em asilos



    Quantos hoje são mendigos
    Mãos estendidas pedem auxílio
    Se eles ficam em casa
    São verdadeiros empecilhos



    Enquanto os velhos mendigam
    Os jovens vivem tranquilos



    Os filhos ouvem música
    Ou assistem televisão
    E o velho pai onde está?
    Sentado na cama no porão



    Meu pai não gosta de nada
    Vive bem com a solidão
    Desci as escadas e fui ver
    Vi o velho esfregando as mãos
    Estava muito gelada
    Com o frio da ingratidão



    O absurdo dos absurdos
    Eu quero contar pra vocês
    Conheço um velho pai doente
    Filhos casados tem três
    Três casas para ficar
    Cada casa fica um mês
    Eu pergunto a mim mesmo
    Que mal este velho fez?



    Por que os filhos têm tudo
    E os pais nunca tem vez?



    Tudo o que bate volta
    É um grande ditado
    Se teu pai vive assim
    Tenha muito cuidado



    O tempo corre, a vida passa
    E você já está escalado
    A dormir no porão úmido
    E teu filho no sobrado
    Quem semeia semente ruim
    Vai colher fruto estragado...

Pesquisar artigos anteriores

Dar esmola para moradores de rua resolve problema social?

Copyright © 2017 Grupo Uirapuru . Todos os direitos reservados. Parceria Sistemas