Ouça agora

Rádio AM 1170 Rádio FM 90.1

Ouça pelo celular



Ieda Almeida

  • Sexta-Feira, 10/02/2017

    Dar

    Se você quer alguma coisa, dê-a! Não parece um despropósito?


    É mais fácil conseguir o que se quer abrindo mão de parte do que já se tem. Quando um agricultor quer mais sementes, pegas as que tem e entrega-as à terra. Quando você quer um sorriso, oferece o seu. Quando quer afeto, dá afeto. Quando ajuda as pessoas, elas o ajudam. E quando quer um beijo na boca? Beija a boca de alguém. 


    E se quiser que as pessoas lhe dêem dinheiro? Dê um pouco do seu. Pense nisso. Se a fixação e o apego excessivo impedem o fluxo de coisas boas para a sua vida, talvez a atitude oposta seja o desprendimento: o de entregarmos uma coisa que valorizamos muito. O que você dá tende a voltar a suas mãos... Quantas vezes a gente ouve esse tipo de história... "um velho miserável e pão-duro, que praticamente passava fome, morreu com um milhão de dólares debaixo do colchão?". 



    Aí vem a pergunta: se é preciso dar para receber, o que aconteceu neste caso?

     

    Aí eu respondo: seu saldo bancário não é a medida de sua abundância. Abundância é aquilo que circula em sua vida. A prosperidade é um fluxo: dar e receber. Se você tem uma fortuna depositada na Suíça e não a usa, esse dinheiro não o está enriquecendo. Tecnicamente é seu, mas na realidade você não "recebe" nada dele. Esse dinheiro não o torna abundante e podia muito bem pertencer a outra pessoa. Portanto, o princípio de dar e receber continua valendo mesmo assim.

     

    Em poucas palavras: o macete consiste em dar sem querer nada em troca. Se você espera um retorno, está fixado no resultado - e quando nos fixamos no que quer que seja, pouca coisa acontece. E não devemos gozar das nossas posses pessoais? Claro que sim! Basta ter certeza de que é você que as possui, e não são elas que possuem você.

     

    Andrew Matthews

     

  • Quinta-Feira, 09/02/2017

    A importância das cicatrizes

    Quando decidimos agir, alguns excessos acontecem. Diz um velho ditado culinário: “para fazer um omelete é preciso quebrar o ovo”.

     

    Quando decidimos agir, é natural que surjam conflitos inesperados. É natural que surjam feridas no decorrer destes conflitos. As feridas passam: permanecem apenas as cicatrizes.

     

    Isto é uma benção;  estas cicatrizes ficam conosco o resto da vida, e vão nos ajudar muito. Se em algum momento -–por comodismo ou qualquer outra razão – a vontade de voltar ao passado for grande, basta olhar parra elas.

     

    As cicatrizes vão nos mostrar a marca das algemas, vão nos lembrar os horrores da prisão e continuaremos caminhando para frente. 


    Paulo Coelho

     

  • Quarta-Feira, 08/02/2017

    O que você deve fazer de dentro para fora !

    Pense sempre de forma positiva sempre que um pensamento negativo vier a sua cabeça troqueo-o por outro.

    Não se queixe.Quando você reclama, tal qual um ímã, você atrai para si toda a carga negativa de suas próprias palavras. A maioria das coisas que acabam dando errado, começa a se materializar quando nos lamentamos. 



    Risque a palavra culpa do seu dicionário. Não se permita esta sensação, pois quando nos punimos, abrimos nossa retaguarda para espíritos opressores e agressores, que vibram com nossa melancolia. Ignore-os. Não deixe que interferências externas tumultuem o seu cotidiano. Livre-se de fofocas, comentários maldosos e gente deprimida. Isto é contagioso. Seja prestativo com quem presta. Sintonize com gente positiva e alto astral. 



    Não se aborreça com facilidade e nem dê importância às pequenas coisas. Quando nos irritamos, envenenamos nosso corpo e nossa mente. Procure conviver com serenidade e quando tiver vontade de explodir, conte até dez. 



    Viva o presente. O ansioso vive no futuro. O rancoroso, vive no passado. Aproveite o aqui e agora. Nada se repete, tudo passa. Faça o seu dia valer a pena. Não perca tempo com melindres e preocupações, pois só trazem doenças.             
                       

  • Terça-Feira, 07/02/2017

    A escolha é sua

    Você pode curtir ser quem você é, do jeito que você for, ou viver  infeliz por não ser quem você gostaria.

     

    Você pode assumir sua individualidade, ou reprimir seus talentos e fantasias, tentando ser o que os outros gostariam que você fosse.

     

    Você pode produzir-se e ir se divertir, brincar, cantar e dançar, ou dizer em tom amargo que já passou da idade ou que essas coisas são fúteis sérias e bem situadas como você.

     

    Você pode olhar com ternura e respeito para si próprio e para as outras pessoas, ou com aquele olhar de censura, que poda, pune, fere e mata, sem nenhuma consideração  para com os desejos, limites e dificuldades 
    de cada  um, inclusive os seus.

     

    Você pode amar e deixar-se amar de maneira incondicional, ou ficar se lamentando pela a falta de gente à sua volta.

     

    Você pode ouvir o seu coração e viver aproximadamente  ou agir de acordo com o figurino da cabeça, tentando analisar e explicar a vida  antes de vivê-la.

     

    Você pode deixá-la como está para ver como é que fica ou com  paciência e trabalho conseguir realizar as mudanças  necessárias  na sua vida e no mundo à sua volta.

     

    Você pode deixar que o medo de perder paralise seus planos  ou partir  para a ação com o pouco que tem e muita vontade de ganhar.

     

    Você pode amaldiçoar sua sorte, ou encarar a situação como uma grande oportunidade de crescimento que a Vida lhe oferece.

     

    Você pode mentir para si mesmo, achando desculpas e culpados para  todas as suas insatisfações, ou encarar a verdade de que, no fim  das contas, sempre você é quem decide o tipo de vida que quer levar.

     

    Você pode escolher o seu destino e, através de ações concretas  caminhar firme em direção a ele, com marchas e  contramarchas,  avanços e retrocessos, ou continuar acreditando que ele já estava  escrito nas estrelas e nada  mais lhe resta a fazer senão sofrer.

     

    Você pode viver o presente que a Vida lhe dá, ou ficar preso a um  passado que já acabou - e portanto não há mais nada a fazer -,  ou a um futuro que ainda não veio - e que portanto não lhe permite fazer nada.

     

    Você pode ficar numa boa, desfrutando o máximo de coisas que você é e possui, ou se acabar de tanta ansiedade e desgosto por não ser ou não possuir tudo o que você gostaria.

     

    Você pode engajar-se no mundo, melhorando a si próprio e, por  conseqüência, melhorando tudo que está à sua vota,  ou esperar  que o mundo melhore para que então você possa melhorar.

     

    Você pode celebrar a Vida e a Energia Universal que o criou, ou celebrar  a morte, aterrorizado com a idéia de pecado e punição.  Você pode continuar escravo da preguiça, ou  comprometer-se com você mesmo e tomar atitudes necessárias para concretizar o seu Plano de Vida.

     

    Você pode aprender o que ainda não sabe, ou fingir que já sabe tudo e não precisa de aprender nada mais.

     

    Você pode ser feliz com a vida como ela é, ou passar todo o seu  tempo  se lamentando pelo que ela não é.

     

    A escolha é sua.  E o importante, é que você sempre tem escolha.  Pondere bastante ao se decidir, pois é você que vai carregar -  sozinho e sempre - o peso das escolhas que fizer. 

     

  • Segunda-Feira, 06/02/2017

    Nossos Hábitos

    Procure se encontrar! Não perca a oportunidade de se conhecer. Pergunte-se sobre os seus desejos, medite sobre as suas palavras, analise seus passos, veja onde andou, não tenha medo de se perguntar, a alma é o refúgio dos seus hábitos.



    Não aceite nada menos do que ser feliz, mesmo que isso signifique, abrir mão de algumas coisas que outros possam achar espetacular. O que importa é a sua satisfação, ainda que caminhe sobre pedras, que pague promessa com os joelhos ensanguentados, se isso te move, se te toca, tudo vale a pena.



    Mas não se deixe levar pela onda que parece mais forte, assim como no mar, firme os pés no chão, reaja contra pensamentos que não são seus, contra idéias que tentam colocar como verdades.



    A verdade não é a resposta que buscamos, é por vezes, arma dolorosa que fere tanto quanto a mentira, por isso, busque apenas o conhecimento. Saber do que você precisa já pode te livrar de muita coisa ruim. E cuide dos seus atos, são eles que formam o que você está vivendo, e atraem semelhantes coisas para a sua eternidade.



    Somos o que fazemos repetidamente.
    A excelência não é um ato, mas um hábito.

    Aristóteles

Pesquisar artigos anteriores

Você concorda em votar no partido e não mais no candidato?

Copyright © 2017 Grupo Uirapuru . Todos os direitos reservados. Parceria Sistemas