Ouça agora

Rádio AM 1170 Rádio FM 90.1

Ouça pelo celular



Ieda Almeida

  • Quarta-Feira, 04/10/2017

    Porque as pessoas sofrem...

    - Vó, por que as pessoas sofrem ?

    - Como é que é ??? - Por que as "pessoas grandes" vivem bravas, irritadas, sempre preocupadas com alguma coisa ?
    - Bem, minha filha, muitas vezes porque elas foram
    ensinadas a viver assim. (silêncio).

     

    - Vó...
    - Oi...

    - Como é que as pessoas podem ser ensinadas
    a viver mal ??? Não consigo entender.
    - É que elas não percebem que foram ensinadas a ser
    infelizes, e não conseguem mudar o que as torna assim.
    Você não está entendendo, não é, meu amor ???

     

    - Não, Vovó. - Você lembra da historinha do Patinho Feio ?
    - Lembro.

     

    - Então..., o Patinho se considerava feio porque era diferente
    de todo mundo. Isso deixava-o muito infeliz e perturbado,
    tão infeliz que um dia ele resolveu ir embora viver sozinho.

     

    Só que o Lago que ele procurou para nadar tinha congelado,
    e estava muito frio. Quando ele olhou para seu reflexo
    no lago, percebeu que ele era, na verdade, um maravilhoso cisne.
    E assim se juntou aos seus iguais e viveu feliz para sempre.

     

    (mais silêncio)...

     

    - O que isso tem a ver com a tristeza das pessoas ?
    - Bem, quando nascemos, somos separados de nossa
    "natureza-cisne". Ficamos como patinhos, tentando caber
    no que os outros dizem que está certo. Então
    passamos muito tempo tentando virar patos.

     

    - É por isso que as pessoas grandes estão sempre irritadas ???
    - Isso !!! Viu como você é esperta ???
    - Então é só a gente perceber que somos cisnes que tudo dá certo ??? (engasgou)... - O que foi, vovó ???

     

    - Na verdade, minha filha, encontrar o nosso verdadeiro espelho não é tão fácil assim. Você lembra o que o patinho precisava fazer para se enxergar ??? - O que ???

     

    - Ele primeiro precisava parar de tentar ser um pato. Isso significa parar de tentar ser quem a gente não é. Depois, ele aceitou ficar um tempo sozinho para se encontrar.

     

    - Por isso ele passou muito frio, não é, vovó ???
    - Passou frio e ficou sozinho no inverno.
    - Por isso que o papai anda tão sozinho e bravo ???
    - Como é, minha filha ???

     

    - Meu pai está sempre bravo, sempre quieto com a música e a televisào dele. Outro dia ele estava chorando no banheiro...
    (emudeceu durante algum tempo). Essas crianças...

     

    - Vó, o papai é um cisne que pensa que é um pato ???
    - Todos nós somos, querida.
    - Ele vai descobrir quem ele é, de verdade ???
    - Vai, minha filha, vai. Mas, quando estamos no inverno, não podemos desistir, nem esperar que o espelho venha até nós. Temos que procurar ajuda até encontrarmos.

     

    - E aí viramos cisnes ???
    - Nós já somos cisnes. Apenas deixamos que o cisne venha para fora, e tenha espaço para viver. (A menina deu um pulo da cadeira). - Aonde você vai ???

     

    - Vou contar para o papai, o cisne bonito que ele é.

     

    A boa vovó apenas Sorriu !!!

     

  • Terça-Feira, 03/10/2017

    Ria todos os dias

    Encontrar ocasiões para rir quando as coisas estão se quebrando ao seu redor não é sinal de cinismo ou de loucura.

     

    Ao contrário, o humor ressuscita o espírito na sombra da adversidade, prestando um serviço difícil de ser igualado.

     

    Para conseguir, distancie-se de pessoas rabugentas e mantenha-se em contato com aquelas que gostam de rir, até mesmo quando surge um problema.

     

    Assista a filmes divertidos, leia livros engraçados, alugue fitas de comédia, assista a seus programas divertidos favoritos na televisão. Quanto mais você ri, mais fácil fica rir!

     

    Se você se concentrar nas coisas divertidas da vida, o que você acha que ocupará a sua mente? Risada! esqueça os dias de condenação e simplesmente aproveite a vida!

  • Segunda-Feira, 02/10/2017

    O perigo de aceitar como normal aquilo que nos causa sofrimento

    Todos nós temos medo de sofrer acontecimentos “traumáticos” na vida. E muitas vezes, esse medo direciona a nossa vida para bem longe dos conflitos.

     

    E assim, à medida que tentamos evitar situações estressantes, que podem nos causar sofrimento (acidente, doença, divórcio, brigas, perdas, conflitos ou situações de guerra), ocorrem em nosso ambiente outras situações que parecem mais tranquilas.

     

    No entanto, diversos estudos sobre o estresse e seus impactos na vida diária (Sandin e Choroit, 1991), demonstram que são os pequenos estresses do dia a dia que causam um maior número de problemas mentais.

     

    “Não era a profundidade o que me afogava, mas o tempo que passei debaixo d’água”. Frida Kahlo 


    Quais são os problemas que nos afetam diariamente?

     

    Existem muitas rotinas diárias em nossa vida que podem estar afetando nossa saúde física e emocional.

     

    As rotinas diárias são aceitas pelo compromisso social, pelo hábito, necessidade, medo da mudança ou obrigação. Na maioria das vezes isso acontece inconscientemente.

     

    Citamos aqui alguns fatores que, com o passar do tempo, podem nos afetar. Se você lida com eles, é conveniente fazer uma mudança ou colocar um ponto final.


    – Atitudes superprotetoras.

    – Ciúmes do parceiro.

    – Conflitos no trabalho, no casamento, com familiares ou amigos.

    – Problemas de comunicação com os demais.

    – Brigas e gritos que não o deixam descansar.

    – Isenção de responsabilidades.

    – Acúmulo de tarefas.

     

    Não se esqueça de que, dependendo da pessoa, a situação pode ser mais ou menos estressante.

     

    Reflita: até que ponto isto que aceito como normal está me prejudicando como pessoa?

     

    É correto permitir que meu espaço seja desrespeitado continuamente? Qual é o limite e como lidar com tudo o que me desagrada?
    As consequências dos pequenos estresses diários

     

    Esses pequenos problemas muitas vezes passam despercebidos até que se manifestam de forma mais evidente.

     

    Sentimos impotência e culpa por percebermos que muitas dessas coisas desagradáveis já nos fizeram bem. Esse sentimento é normal quando tentamos enfrentar e acabar com um problema; muitas coisas mudam e outras permanecem estáveis.

     

    O importante é perceber que o nosso ambiente é favorável a nós, e não hostil.

     

    Isto não tem nada a ver com a sua capacidade de sacrifício, luta e entrega. É uma questão de inteligência emocional.

     

    É difícil remar forte e por muito tempo, por isso tente encontrar um ambiente favorável para você e não um ambiente que complique mais a sua vida.

     

    Do contrário, esse sentimento de impotência frente aos estressores vai se tornar crônico, nos tornaremos mal humorados e não conseguiremos realizar mudanças produtivas em nossa vida.

     

    Nossas rotinas diárias serão prisões para nossos sentidos e desejos, e até a depressão pode aparecer como consequência desses pequenos “problemas diários”.

     

    Portanto, faça uma pausa, tente encontrar momentos de descanso e relaxamento para recuperar as forças e seguir em frente.

     

    Relaxar nos ajuda a renovar, a voltar com mais energia e com os pensamentos e as ideias mais claras.

     

    Cuide da sua rotina, cuide do seu dia a dia, cuide de você.

     

    *Resiliência Humana

     

  • Sexta-Feira, 29/09/2017

    Saber pedir

    Todos os dias fazemos mentalmente a construção do nosso futuro através de pensamentos positivos, codificados através de símbolos em nossa mente. Indiretamente, estamos pedindo ao Universo as energias positivas que irão construir a nossa felicidade.


    Para que isto ocorra com uma certa facilidade, é preciso ter uma regra básica: saber pedir!


    Anote num pequeno de papel seus sete principais pedidos para a sua vida. Leia e releia todos os dias até gravar no seu consciente e inconsciente.


    É muito importante saber o porquê do pedido. Não adiante só pedir: é preciso ter fé, determinação e paciência para esperar o momento certo.


    Mas tem um detalhe: não peça somente coisas para você. Pense no que você irá pedir para os outros que estão à sua volta.

     

    Lembre-se: o universo é rico, generoso e abundante.

  • Quinta-Feira, 28/09/2017

    O Homem Feliz

    Narra antiga lenda, que certa vez um rei adoeceu gravemente e à medida que o tempo passava seu estado piorava.
    Os médicos tentaram de tudo, mas nada parecia funcionar.


    Estavam a ponto de perder a esperança quando a velha criada falou:
    - Eu sei uma forma de salvar o rei. Se vocês puderem encontrar um homem feliz, tirar-lhe a camisa e vesti-la no rei, ele se recuperará.

     

    Ao ouvir tal afirmativa, o rei enviou seus mensageiros a todos os cantos do reino a procura de um homem feliz. Eles cavalgaram por todos os lugares e não encontraram um homem feliz. Ninguém estava satisfeito; todos tinham uma queixa a fazer.

     

    "Aquele alfaiate estúpido fez as calças muito curtas!
    Ouviram um homem rico dizer."

     

    "A comida está péssima, este cozinheiro não consegue fazer nada direito! Outro reclamava."

     

    "O que há de errado com os nossos filhos?
    Resmungava um pai insatisfeito."
    "O teto está vazando!"
    "A situação financeira está péssima"
    "Será que o Rei não pode dar um jeito nessa situação?"

     

    Essas e outras tantas queixas eram o que os mensageiros do rei ouviram por onde passaram.

     

    Se um homem era rico, não tinha o bastante; se não era rico, era culpa de alguém. Se era saudável, havia uma sogra indesejável em sua vida. Se tinha uma boa sogra, a gripe o estava infelicitando. Enfim, naquele reino todos tinham algo do que reclamar.

     

    O rei já tinha perdido a esperança de ficar bom, quando numa noite, seu filho cavalgava pelos campos e, ao passar perto de uma cabana ouviu alguém dizer:


    - Obrigado Senhor! Concluí meu trabalho diário e ajudei meu semelhante. Comi meu alimento, e agora posso deitar-me e dormir em paz. O que mais poderia desejar, Senhor?

     

    O príncipe exultou de felicidade por ter, finalmente, encontrado um homem feliz. Retornou e mandou que seus homens fossem até lá e levassem a camisa do homem ao rei e lhe pagassem o quanto pedisse.

     

    Mas quando os mensageiros do rei entraram na cabana para despir a camisa do homem feliz, descobriram que ele era tão pobre que sequer possuía uma camisa.

Pesquisar artigos anteriores

Você acha que o Brasil está saindo do atoleiro da pior crise já vivida pelo país?

Copyright © 2017 Grupo Uirapuru . Todos os direitos reservados. Parceria Sistemas