Ouça agora

Rádio AM 1170 Rádio FM 90.1

Ouça pelo celular



JG

  • Quinta-Feira, 10/07/2014

    Brasil perdeu a Copa: a culpa é do governo

    Esta mania que nós temos de que se alguma coisa não der certo na nossa vida alguém tem que ser culpado. Eu sou egoísta, eu não quero me culpar pelos meus fracassos. Eu tenho que achar alguém, ou melhor, eu tenho que crucificar alguém.

     

    O governo brasileiro fez e financiou as melhorias em estádios e em cidades que sediaram os jogos da Copa do Mundo.

     

    Mas se alguma coisa não deu certo, a culpa é do governo.

     

    Quando este país passou pelo regime governamental militar a maioria da oposição dizia

     

    “Este governo usa todas as formas de protecionismo”.

     

    “Se a seleção de 70 ganhou o campeonato o governo militar usou nossos craques para se promover.”

     

    “Se o governo militar dava moradia através da Cohab e BNH, este governo está comprando a consciência do povo trabalhador.”

     

    Esse era o discurso.

     

    O Brasil vai disputar o terceiro lugar da Copa do Mundo em Brasília e o culpado é o governo.

     

    Que coisa!

     

    Sempre o governo.

     

    Ou usa ou é culpado.

     

    Mas até pelos meus fracassos como empresário?

     

    Minha fábrica não vendeu, meu comércio não cresceu, meu escritório não está pagando as contas, eu não estou conseguindo vender comerciais como o homem de mídia que sou?

     

    E o governo é o culpado?

     

    Até quando eu vou ser egoísta, covarde e acomodado, sempre achando que se eu perdi o emprego o governo é o culpado.

     

    O que se vê na mídia de ontem pra cá são lideranças empresariais reclamando que o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil não cresceu aquilo que eu queria.

     

    Isso porque o governo não deixou.

     

    Mas pera aí, a fábrica, a indústria, o comercio, os serviços não sou eu quem faz?

     

    E se eu não cresci, vou culpar sempre os governantes?

     

    A Carga Tributária desde o seu descobrimento no Brasil, foi grande.

     

    A prova está  que fomos para uma inconfidência mineira tentando baixar os tributos para Portugal.

     

    A Independência aconteceu porque nós não queríamos ficar sob o bastão explorador da coroa portuguesa.

     

    Grandes revoluções no Brasil ou grandes movimentos sociais no Brasil sempre aconteceram pela insatisfaçãotributária.

    Estes lideres empresariais que estão gritando na mídia hoje são os mesmos que daqui a pouco vão financiar campanhas eleitorais para deputados, senadores, governadores e presidentes.

     

    Porque ao invés de gritar agora contra este ou aquele regime,  não gritam contra a fraca atuação de seus apadrinhados políticos? Um político da minha cidade uma vez me disse:

     

    “Se a mula corcoveia e está rebelde, corta-se o pasto”.

     

    Cortem o pasto de políticos e esse país tomará forma.

  • Terça-Feira, 08/07/2014

    O brasileiro é bonzinho

    Esta frase era de um programa humorístico em que uma loira fazia um personagem estrangeiro chegando no Brasil. Pra quem não se lembra ou não conheceu, o nome dela era Kate Lira.

     

    A cada coisa que acontecia com ela, ela repetia a frase: “brasileiro bonzinho”. E os brasileiros só faziam sacanagem com ela.

     

    E agora, com a realização da Copa do Mundo, os pesquisadores foram a campo para saber qual a virtude do povo brasileiro. Principalmente ouvir dos estrangeiros o que eles tinham a criticar e o que eles tinham a elogiar do Brasil.

     

    Todos eles falaram que a beleza do país é fantástica. Nossas praias, nossas florestas, nossos campos e até mesmo nossas cidades. Mas o que se destacou mais uma vez foi a hospitalidade do povo brasileiro.

     

    Eu continuo achando que o dinheiro investido na campanha bilionária que o Ministério do Turismo e secretarias de turismo de estados e de municípios gastaram para fazer com que o povo brasileiro recebesse bem o turista, foi dinheiro jogado fora.

     

    Só mesmo um grande idiota poderia pensar que nós, brasileiros, iríamos maltratar quem vem nos visitar. É como se o meu pai me dissesse:

     

    “-Negrinho, hoje é domingo. O meu compadre e sua família virão almoçar conosco, portanto trate-os bem”.

     

    E o pior de tudo é que comentaristas continuam admirando-se com o tratamento que o brasileiro deu a todos que vieram e que ainda estão visitando o nosso país.

     

    Para terminar, a frase é fantástica e vou repetir:

     

    “Brasileiro é bonzinho”.

  • Segunda-Feira, 07/07/2014

    Selo de saúde

    Hoje pela manhã, no programa Repórter do Povo, o assunto voltou à tona: funcionamento do crematório de Passo Fundo. Nossos familiares que querem ser cremados tem que viajar quilômetros para ter realizado o seu intento.

     

    Uma nota de falecimento chamou a atenção do ouvinte: o corpo será transladado para São Leopoldo, distante daqui. Aí as perguntas vieram de todos os lados da sociedade: mas e o nosso crematório, como está? Porque não está funcionando?

     

    Fomos atrás da informação e falamos com o diretor da empresa, Felipe Badotti, e a resposta foi estarrecedora: falta um carimbo da Fundação Estadual de Proteção ao Meio Ambiente, a dita FEPAM.

     

    Mas lhe perguntei:

     

    -Só um carimbo?

     

    E ele confirmou.

     

    Lembrei-me então, de 60 anos atrás, quando este país vivia em função dos selos. Selo de saúde, Selo de Qualidade, todos os selos possíveis para liberar produtos ou, pior de tudo, para liberar a produção de um país continental.

     

    Se o Ministério da Saúde ou da Indústria, se a Secretaria de Saúde do Estado ou do Município não liberasse o selo a produção parava.

     

    Mas isso é há 60 anos atrás e eu nem era nascido.

     

    Talvez se naquela época eu tivesse nascido em uma maternidade, não sairia do hospital sem antes ganhar um selo. O pior de tudo é que o tempo passou. Os governantes deste país ainda continuam trancando o desenvolvimento do país, do estado e do município.

     

    O selo não existe mais, mas agora é o carimbo!

     

    Portanto, está na hora do prefeito, do governador e do presidente ou da presidente pensar a quem entregar o carimbo da burocracia que torna esse país incompetente para crescer.

     

    Tenho dito. 

  • Sexta-Feira, 04/07/2014

    O Brasil está em paz mas....

    A Copa do Mundo está tomando conta de todos os brasileiros. Sem essa de que o brasileiro não estaria ligando para este evento esportivo. Alguns estão festejando, outros criticando.

     

    Tirando meia dúzia de covardes que vai para as ruas com a cara amarrada, ou melhor, de carapuça para não ser identificado, o resto está tudo bem!

     

    E isso acontece não só em época de Copa do Mundo. Não é por causa do evento também, porque o Brasil sempre teve os a favor e os contra.

     

    E que bom que seja assim! Pois se eu chegasse nesse blog agora e dissesse que tudo está em paz, estaria mentindo.

     

    O editorial do jornal Troca-Troca de hoje trata de um assunto que há anos a Rádio Uirapuru debate: leis de licitações.

     

    Comprar o barato sem verificar a qualidade. Porque se o governante pagar mais caro a diferença sairá do seu bolso, ele será visto pelos seus adversários como mau versador do dinheiro público e na campanha política usam uma rejeição do Tribunal de Contas para tentar enxovalhar o nome do concorrente.

     

    Sempre foi assim e não vai mudar.

     

    Meu grande ídolo politico Leonel Brizola já dizia: “ Se o adversário não tiver rabo, nós arrumamos um pra ele”.

     

    E é assim na administração pública. É assim na mídia, quando alguém posta no seu blog, Face ou sei lá o que, alguma coisa que não nos agrada, saímos de facão, de picareta, de martelo, de foice... Nós queremos ver o adversário derrotado, custe o que custar!

     

    O Brasil está em paz, mas alguém já está pronto para a guerra que vai começar depois da Copa.

  • Quinta-Feira, 03/07/2014

    Dizer que sou honesto não basta

    Os assuntos que abordamos neste blog geralmente são assuntos questionados no Repórter do Povo. Nosso comentarista de hoje Claudionor Ramos, o Chorão, trouxe uma informação do Delegado de Furtos e Roubos da Delegacia de POA. Ele diz que 15% dos furtos e roubos de veículos na capital são tramados pelos próprios proprietários, na ganância de enganar e de roubar das seguradoras.

     

    Por isso o seguro é tão caro no Brasil.

     

    Fiquei pensando ...

     

    Poxa! Eu cobro honestidade dos políticos, dos governantes, da segurança pública, do judiciário...

     

    Sou o cara! Bato no peito em todas as esquinas do Brasil e reclamo da falta de honestidade dessa gente.

     

    Mas que honestidade é essa, se eu mesmo sou o primeiro a querer levar vantagem? A corromper alguém?

     

    Se a taxa pública que tenho que pagar, eu puder dar um calote? Ou se o imposto que todo brasileiro paga, eu puder fazer-me de sonso e dar aquele velha desculpa “Eu me esqueci!” e não cumprir com a minha função de cidadão?

     

    Por que se eu tenho direitos, eu tenho deveres. Mas que quero eu cumprir com o meu dever se eu posso enganar elevar vantagem em qualquer situação? Principalmente quando tramo contra a economia, contra o bem viver de uma nação fazendo conchavos com ladrões para que eles levem o meu carro ou qualquer outro bem que esteja segurado.

     

    Que esperto sou eu! Pago seguro para logo ali levar vantagens.

     

    Então, bater no peito, gritar e esbravejar que sou honesto não basta. Eu tenho que ser honesto comigo mesmo. A minha consciência deve estar tranquila.

     

    E quando eu deitar a cabeça no travesseiro tenho que ter um sono tranquilo e sereno, para que a minha consciência não seja mutilada. 

Pesquisar artigos anteriores

Você concorda em votar no partido e não mais no candidato?

Copyright © 2017 Grupo Uirapuru . Todos os direitos reservados. Parceria Sistemas