Lei que estabelece política nacional da erva-mate já está em vigor

Créditos: Divulgação/Aspemate

Foi sancionado no dia 3 de janeiro o projeto de lei que estabelece a Política Nacional da Erva-Mate. Ela reconhece a cultura como as demais de importância nacional, como soja, milho, trigo ou feijão. A proposta visa fomentar a produção sustentável, elevar o padrão de qualidade, fomentar políticas públicas, apoiar e incentivar o comércio de erva-mate do Brasil.

Falando na Uirapuru, o presidente da Associação de Produtores de Erva-Mate do Alto Uruguai (Aspemate), Valdir Pedro Zonin, informou que o Rio Grande do Sul possui cerca de 14 mil produtores de erva-mate, a maioria deles em pequenas propriedades. Tendo como destaque os polos de Ilópolis, Palmeira das Missões e Venâncio Aires, onde se encontram os maiores produtores e as principais indústrias do setor. A região de Erechim, conhecida como Alto Uruguai, também é forte na produção, concentrando cerca de 1.600 propriedades que cultivam a planta e várias indústrias responsáveis por processar a erva.

Zonin comentou que com o reconhecimento nacional, a divulgação, as políticas públicas e os recursos para o cultivo vão aumentar, o que deve favorecer o agricultor, o empresário e o consumidor final. Para ele, o consumo será incrementado também, já que várias associações reivindicaram a inserção dos derivados da erva na alimentação escolar nacional.

De acordo com Zonin, a planta possui mais de 190 propriedades medicinais e nutricionais catalogadas e, com a política nacional, o país está conhecendo os benefícios de consumir a erva-mate. Zonin comentou que, com a aprovação desse projeto de lei, a parte financeira vai melhorar e, com isso, os produtores vão investir em qualidade e tecnologia.

Segundo o presidente da Aspemate, alguns agricultores do Estado já estão trabalhando no cultivo da erva-mate orgânica visando a exportação.

Comentários

A Rádio Uirapuru não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Notícias Recomendadas