Ouça agora

Rádio AM 1170 Rádio FM 90.1

Ouça pelo celular



Rádio Uirapuru - Saúde

Publicada em: 17/07/2017 , por Jornalismo Uirapuru

A A A

Assembleia do SIMERS em Passo Fundo vai debater congelamento de honorários e desmonte do IPERGS

Rádio Uirapuru
Créditos: Divulgação/SIMERS
Assembleia do SIMERS em Passo Fundo vai debater congelamento de honorários e desmonte do IPERGS

Nos últimos seis anos, a receita do Instituto de Previdência do Estado (IPERGS) cresceu 54%, fechando 2016 com R$ 1,7 bilhão. No entanto, nesse período, não foi feito nenhum reajuste aos honorários dos médicos credenciados. No Estado são ao todo mais de 7 mil.

 

O Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) prevê um desmonte progressivo da entidade porque muitos profissionais que perceberam que estão financiando o Instituto estão rompendo o credenciamento. O tema será discutido em assembleia geral que acontece, nesta quarta-feira (19), em Passo Fundo. O encontro está marcado para as 19h30, no Centro Clínico Crediplan (Rua Uruguai, 2001, Bloco A).

 

Em entrevista à Uirapuru, o presidente do SIMERS, Paulo de Argollo Mendes, contou que o último reajuste foi de 40% no valor das consultas e 20% dos procedimentos. Desde então, a consulta custa R$ 47, quando deveria ser no mínimo R$ 68,62 para cobrir as despesas do médico. Se o IPERGS seguisse a Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM), que é a principal referência para a remuneração médica no país, o valor subiria para R$ 91,65.

 

Explicou que hoje o Sistema Único de Saúde (SUS) paga melhor que o IPERGS. O especialista que trabalha no SUS é remunerado pelo seu trabalho e não possui gastos com aluguel de consultório, condomínio, energia elétrica, água, secretária e telefone, como é o caso do profissional que atende o IPE-Saúde. Mendes disse que muitos médicos não se dão conta disso porque também atendem outros convênios e particulares.

 

Se hoje um doutor montasse um consultório só para atender pacientes do IPE ele começaria a ser remunerado a partir da 8ª consulta, ou seja, os primeiros sete atendimentos seriam totalmente gratuitos. O presidente do SIMERS destaca que o desmonte não prejudica somente os funcionários públicos que vão perder o seu plano de saúde.

 

 

Se a tabela não for corrigida, a população que depende do SUS vai disputar as consultas com mais um milhão de pessoas que atualmente são beneficiárias do IPE-Saúde. Quase 10% da população gaúcha utiliza esse plano de saúde para assistência médica e internação hospitalar.

 

Dessa reunião em Passo Fundo, Mendes quer retirar alguns representantes para a assembleia estadual, que deverá acontecer em Porto Alegre, ainda sem data definida. O SIMERS já ingressou na Justiça com uma ação coletiva de reajuste de remuneração dos médicos credenciados. Mas o sindicato quer dialogar com o governo do Estado para resolver esse impasse.

 

A Assembleia é realizada em parceria com o Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (CREMERS) e com a Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS).

Comentários

A Rádio Uirapuru não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Dar esmola para moradores de rua resolve problema social?

Copyright © 2017 Grupo Uirapuru . Todos os direitos reservados. Parceria Sistemas