Na Uirapuru, presidente da Fundação Nacional de Saúde defende a importância de politicas públicas para resíduos e saneamento básico

Créditos: O Globo

O ex-deputado federal e ex-ministro do Trabalho, o gaúcho Ronaldo Nogueira (PTB) assumiu neste ano a presidência da Fundação Nacional de Saúde – Funasa. A fundação tem como principal prerrogativa promover ações de inclusão social através do saneamento básico e também políticas de execução no que diz respeito ao tratamento de resíduos.

Em entrevista na Uirapuru, o presidente Nogueira destacou que o Brasil não cumpre as metas internacionais na área de saneamento básico. Para Nogueira, o maior desafio é justamente fazer com que as ações se estabeleçam. Segundo o presidente, no Brasil existem cerca de 20 milhões de pessoas que não tem acesso à água potável e mais de 60% da população não tem atendimento de serviços de tratamento de esgoto. O presidente contou que a fundação tem atualmente cerca de R$ 7 bilhões em obras contratadas e em torno de R$ 4 bilhões em execução. Segundo Nogueira, deste montante o Rio Grande do Sul não representa nem 10% desse valor atendido pela fundação.

O presidente defendeu que é necessário que o Brasil adote medidas de saneamento e, por isso, já encaminhou que um diagnóstico fosse realizado para que as ações fossem planejadas. Nogueira contou que desde sua existência as ações da fundação sempre foram mais voltadas para o Norte e Nordeste e defendeu que o diagnóstico que será feito mostrará as reais necessidades de cada região. O presidente frisou ainda que uma das prioridades da fundação é realizar políticas públicas para a área de tratamento de resíduos. O orçamento anual da fundação é de mais de R$ 3 bilhões e, mesmo ligada ao Ministério da Saúde, possui autonomia administrativa e financeira.

Comentários

A Rádio Uirapuru não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Notícias Recomendadas