Ouça agora

Rádio AM 1170 Rádio FM 90.1

Ouça pelo celular



Rádio Uirapuru - Segurança

Publicada em: 30/08/2017 , por Jornalismo Uirapuru

A A A

Coronel da reserva da BM afirma: reprovação pública impede que policiais neutralizem agressores que fazem reféns

Rádio Uirapuru
Créditos: Lucas Cidade/Rádio Uirapuru
Coronel da reserva da BM afirma: reprovação pública impede que policiais neutralizem agressores que fazem reféns

Na última terça-feira a população de Passo Fundo acompanhou ao vivo o desfecho trágico que terminou com uma mulher baleada e um homem morto em confronto com a polícia. A mulher que era mantida refém pelo seu amante, Tiago de Lima Carvalho, desde a manhã de ontem (29), acabou baleada por ele.

 

Tiago atirou na vítima, identificada como Geni Madalena dos Santos, 37 anos, e começou a disparar contra a polícia, que revidou. Ele acabou baleado e depois morrendo em atendimento no Hospital da Cidade, enquanto Geni segue lutando pela vida em estado gravíssimo.

 

Após a ação policial, muitas pessoas se manifestaram nas redes sociais criticando a polícia por não ter agido de forma drástica contra Tiago e evitado que ele atirasse na mulher.

 

Em entrevista na Uirapuru, o coronel  da reserva  da Brigada Militar, Fernando Carlos Bicca, com uma vida dedicada a polícia, falou sobre o assunto. Um dos pontos que causaram grande reprovação da população foi o pedido de uma cerveja, feito pelo agressor, que foi atendido pela polícia. Neste ponto Bicca acredita que não seria o recomendado, mas pondera que a intenção foi acalmar o agressor, mostrando que a polícia estava ali para ajudar.

 

Conforme ele, cada ocorrência é diferente e muita coisa está envolvida. Neste tipo de caso, é preciso analisar a legislação, o contexto social, apoio da sociedade e cenário. Em países sérios, com apoio da sociedade a força policial realizaria ações de neutralização do mesmo, mas no Brasil, todos os movimentos devem ser calculados para não haver reprovação pública, que gerem consequência a toda uma corporação.

 

Bicca destacou que a vida da refém deve ser sempre prioridade, mas agir com fogo letal sobre o agressor seria uma medida extrema a ser tomada diante da situação sair do controle, como foi o caso de quando ele atirou na mulher e investiu contra os policiais.

Comentários

A Rádio Uirapuru não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Ouça ao vivo

Comando da Madrugada

com Caroline Secchi

Terça-Feira

das 00:00 às 06:00

ouça ao vivo



Você concorda com a legalização dos jogos de azar no Brasil?

Copyright © 2017 Grupo Uirapuru . Todos os direitos reservados. Parceria Sistemas